Seminário

Vestígios de um cinema radical*

“Se o cinema comercial é a tradição, o cinema de autor é a revolução. A política de um autor moderno é uma política revolucionária: nos tempos de hoje nem é mesmo necessário adjetivar um autor como revolucionário, porque a condição de um autor é um substantivo totalizante. (…) Sua estética é uma ética, sua mise-en-scène é uma política”.

Glauber Rocha

 

A partir das novas ondas cinematográficas internacionais dos anos 60 do século passado e das vanguardas políticas dessa década, em muitos países latino-americanos começou ou recomeçou uma história mais ligada à contemporaneidade do que em qualquer momento anterior, onde a palavra “novo” trouxe relevância temporal e ideológica. Essa coincidência renovadora se caracterizou por termos e conceitos como: Estética da Fome, Terceiro Cinema, antropofagia cultural, pastiche, carnavalização da realidade, condenação e resgate do melodrama, etc. As operações mais intensas de representação da realidade foram possíveis graças a um radicalismo estético e político que tornou a imagem em movimento um meio de resistência. Nas décadas seguintes, o mais significativo da produção cinematográfica da América Latina não deixou de estar associado à diversidade temática e estilística, à experimentação e à procura.

Este curso seguirá os vestígios indeléveis deixados por algumas obras e cineastas radicais nos anos 60, 70 e na primeira metade da década de 1980, ao mesmo tempo que servirá como um gesto comemorativo.

* N. de tradução: “Estelas por/ de un cine radical”, no original, que joga com os dois sentidos que a palavra “estela” possui em espanhol: vestígio e monumento comemorativo.

Ministrante: Jorge Yglesias

30/09, 01/10 (de 15h-17h) e 02/10 (14h-16h)

Cine Humberto Mauro

Carga horária: 06 horas
129 vagas

Jorge Yglesias (Havana, 1951). Poeta, narrador, crítico de cinema e tradutor. Chefe da Cátedra de Humanidades e Professor de História do Cinema e Estética do Documentário na Escola Internacional de Cinema e Televisão de San Antonio de los Baños, Cuba. Tem ministrado cursos de cinema no Canadá, Áustria, Brasil, Suíça, Portugal, República Tcheca, República Dominicana, Colômbia e Venezuela. Escreve e dirige um programa de rádio semanal dedicado ao cinema e um espaço diário de música clássica. Tradutor de Paul Claudel, Emily Dickinson, Adrienne Rich, Georg Trakl e poetas contemporâneos franceses, ingleses, norte americanos, austríacos, alemães e italianos.